Prefeitos da OMPETRO se unem para trazer pólo-petroquímico para a região

Prefeitos que integram a Organização dos Municípios Produtores de Petróleo da Bacia de Campos, entre eles o prefeito de Rio das Ostras, Carlos Augusto, se reuniram nesta quarta-feira, dia 7, com o presidente da Petrobras, Sérgio Gabrielli, e o diretor de abastecimento da estatal, Paulo Roberto Costa. O encontro aconteceu no Rio, na sede da empresa, e teve como objetivo apresentar à Petrobras as vantagens para que pólo-petroquímico se instale em Guriri, no município de Campos.

Entre elas, os prefeitos citaram que os municípios do norte/noroeste Fluminense estão empenhados para dar todo o suporte necessário para a instalação do investimento na região. Segundo Carlos Augusto, ele já se reuniu com a governadora Rosinha Matheus, de quem cobrou uma parceria que viabilizasse economicamente a vinda do pólo para Campos. “Precisamos de mais subsídios da Petrobras para que possamos informar a governadora sobre as necessidades econômicas do empreendimento”, comentou Carlos Augusto, lembrando que, assim como os outros municípios da região, Rio das Ostras está fazendo a sua parte para atrair o empreendimento, tal como investimentos em educação e infra-estrutura.

O prefeito alertou ainda para o risco da curva descendente da produção de petróleo na região a partir de 2010, o que implicará na redução dos repasses de royalties para os municípios. “A vinda do pólo-petroquímico para o norte/noroeste fluminense significaria não apenas a solução para este problema, mas também um investimento igualitário no estado, já que nossa região tem um dos menores Índices de Desenvolvimento Humano do país”, justificou Carlos Augusto.

Os prefeitos da OMPETRO também se comprometeram em oferecer mão-de-obra qualificada para o investimento. O prefeito de Macaé, Riverton Mussi, por exemplo, lembrou que a região tem uma grande oferta universitária e técnica, tal como o Cefet e a Universidade Federal Fluminense.

Segundo o diretor geral do Cefet de Campos, Luiz Augusto Caldas, a instituição prevê qualificar 151 mil pessoas na região na área de petróleo nos próximos 10 anos. Esse trabalho será feito em parceria com a Universidade de Campos e com o Sistema Senai/Senac/Sesi. “Desta forma iremos suprir as necessidades de mão-de-obra da refinaria”, prevê o diretor do Cefet.

Já o prefeito de Quissamã, Armando Carneiro, ressaltou que os municípios produtores de petróleo do norte/noroeste Fluminense estão atentos e fazendo uma boa aplicação dos royalties recebidos. “Toda a região está aplicando esses recursos em infra-estrutura gerando qualidade de vida à população”, comentou o prefeito.

DECISÃO – Durante a reunião, o presidente da Petrobras, Sérgio Gabrielli, lembrou que o destino da refinaria ainda não foi definido, mas frisou que esta será uma decisão meramente técnica e não política. “Levaremos em conta principalmente as condições ambientais e econômicas”, explicou ele, elogiando a postura dos prefeitos da OMPETRO e dizendo que todas as informações serão levadas em conta na decisão final.

Segundo Gabrielli, tanto Campos quanto Itaguaí – município do Sul Fluminense que disputa a instalação do pólo com o Norte Fluminense – possuem vantagens e desvantagens para a instalação do empreendimento. Entre os prós do Norte/Noroeste Fluminense estão as condições ambientais e a possibilidade de expansão da refinaria, o que não é o caso de Itaguaí. Em contrapartida, ele aponta a falta de recursos hídricos e a falta de instalações portuárias na região de Guriri.

Para resolver tais empecilhos, a Prefeitura de Campos, representada no encontro pelo secretário Extraordinário para a Implantação do Pólo Petroquímico, Luiz Márcio Concebida, se comprometeu de estudar uma forma de oferecer os recursos hídricos necessários aproveitando fontes de água alternativas da região. A prefeita de São João da Barra, Carla Machado, também informou ao presidente da Petrobras que está em contato com uma empresa que pretende instalar um porto para a exportação de minério de ferro em seu município. “Essa poderá ser uma solução para atender a refinaria”, comentou a prefeita, que se comprometeu em enviar uma cópia do projeto do porto ao presidente da Petrobras.

A reunião contou ainda com as presenças dos prefeitos Rubem Vicente (Carapebus), Paulo Dames (Casimiro de Abreu), Cláudio Linhares (Conceição de Macabu), Renato Jacinto (Cardoso Moreira), além dos deputados Paulo Feijó (PSDB) e Jorge Bittar (PT), que se comprometeu em agendar um encontro entre os prefeitos da OMPETRO e o presidente Lula.

A previsão é que a obra do pólo petroquímico tenha início em 2007 e seja finalizada até 2011. A expectativa é que o pólo gere, a princípio, cerca de 15 mil empregos diretos, chegando a 230 mil quando estiver em pleno funcionamento.

Prefeito Carlos Augusto participa de Fórum da ANP

Na última semana, Carlos Augusto também esteve presente no fórum “Dinâmica das Participações Governamentais Sobre a Produção de Petróleo e Gás Natural no Estado do Rio de Janeiro”. O encontro, que reuniu prefeitos que integram a OMPETRO, foi promovido pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustível e pela OMPETRO, em Macaé. “Precisamos trabalhar sempre de forma integrada para que possamos defender juntos a estabilidade dos recursos dos royalties, já que isso nos possibilitaria o planejamento dos investimentos em educação, turismo, saúde e outros”, comentou o prefeito, que também elogiou a iniciativa da realização do encontro, que teve como foco central a apresentação dos aspectos legais da arrecadação e distribuição de royalties.

Ronet

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.