Unidade de Conservação preserva espécies em extinção

ARIE de Itapebussus tem rica biodiversidade de flora e fauna, incluindo espécies ameaçadas

Rio das Ostras é conhecida por suas belezas naturais. Mas além do turismo, a cidade mantém seu papel responsável de preservação de sua biodiversidade, como mostraram os técnicos da Secretaria de Meio Ambiente, Agricultura e Pesca, nas palestras proferidas durante o aniversário do Parque dos Pássaros, na ultima semana. Além do Parque, uma das Unidades de Conservação (UC) do município, é a ARIE de Itapebussus, que é habitat de espécies de flora e fauna em risco de extinção, como a planta de restinga Jacquínia e o sabiá da praia, o Mimus Gilvus, ambos na lista dos ameaçados.
            A Área de Relevante Interesse Ecológico (ARIE) de Itapebussus é formada por vegetações características do município e da Região: Manguezal, Restinga e Mata Atlântica de Tabuleiro (topografia plana em grandes extensões e baixa altitude).            O gerente de Unidades de Conservação da Prefeitura, Jorge André Antunes explica que, assim como outras UCs de Rio das Ostras, Itapebussus tem um papel fundamental na manutenção dos ecossistemas originais da cidade. Para isso, a Secretaria de Meio Ambiente mantém uma fiscalização constante das Unidades, coibindo desmatamento, invasões e caça nesses locais.
            “O monitoramento permanente é fundamental para preservar as espécies. A vegetação de Mata Atlântica e de Restinga é abrigo de espécies, como a Jacquínia, que integra a lista das espécies ameaçadas. Essa planta é de difícil reprodução a partir de mudas cultivadas. Por isso, é necessário preservar essas áreas de ocorrência da espécie”, explica o biólogo Jorge André.  A Jacquinia armilaris é uma das espécies considerada vulnerável pelo IBAMA.
            “A identificação de espécies em risco de extinção traz ainda mais responsabilidade à gestão dessas Unidades. Essas listas são importantes bases para o planejamento de ações efetivas de conservação direcionadas”, explica o secretário de Meio Ambiente, Max Almeida.         
            De acordo com o plano de manejo da ARIE de Itapebussus, das espécies vegetais ocorrentes, 14 estão incluídas em pelo menos uma das listas de probabilidade de extinção. Para o estabelecimento dessas listas, os pesquisadores levam em conta diversos critérios, sendo os mais importantes o grau de endemismo (ocorrência) e extensão da área de ocorrência; a especificidade de habitat; fatores predatórios e abundância relativa.
            FAUNA PRESERVADA – A política séria de gestão das UCs também contribui para a preservação da fauna. O impacto da ação humana pode vir a afugentar os animais que habitam a ARIE, como gambá, cuíca, tatu, capivara, gato do mato, entre outros, além dos pássaros, como o sabiá da praia, que figura no rol do IBAMA dos animais ameaçados.
            “O sabiá tem um comportamento diurno e se alimenta de pequenos insetos e frutas, que encontra com facilidade nesse local”, afirma Jorge André. Das aves encontradas na ARIE, pelo menos sete estão no rol de animais ameaçados de desaparecimento no Estado.
             As tartarugas marinhas (Caretta caretta) são comuns na costa de Rio das Ostras e podem ser encontradas na ARIE de Itapebussus, assim como o cágado de água doce (Acanthochelys radiolata), espécie característica de restinga e mata de baixada e presumivelmente ameaçada no Estado do Rio de Janeiro. A área abriga também anfíbios e répteis e, embora nenhuma das espécies registradas esteja incluída entre a fauna considerada ameaçada, a presença de anfíbios torna relevante a preservação.
            UNIDADES DE CONSERVAÇÃO – Rio das Ostras possui quatro Unidades de Conservação municipais: a Área de Proteção Ambiental da Lagoa de Iriry, o Monumento Natural dos Costões Rochosos, o Parque Natural Municipal dos Pássaros e a Área de Relevante Interesse Ecológico (ARIE) de Itapebussus. Além dessas áreas, parte da Reserva Biológica União está nos limites da cidade, que também tem influência na APA do rio São João.
            

FONTE:
Secretaria de Comunicação Social
Departamento de Jornalismo

Ronet

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.