Pronto-Socorro tem atendimento mais ágil e humanizado

Unidade passa a contar com equipe para acolher e orientar os pacientes, priorizando casos graves

 

A Prefeitura de Rio das Ostras reorganizou o atendimento no Pronto-Socorro para solucionar, de forma mais rápida e humanizada, os casos que chegam até a unidade. Atendendo às recomendações do Ministério da Saúde, a Secretaria de Saúde implantou um serviço de acolhimento diferenciado, no qual enfermeiros, técnicos de enfermagem e assistentes sociais recebem, orientam e encaminham os pacientes conforme suas necessidades e a urgência do caso.

Neste acolhimento, o profissional de Saúde faz uma classificação do risco de vida do paciente, realiza um primeiro atendimento ou encaminha para outros serviços.

Os casos de emergência – como politraumatismos graves – continuam sendo atendidos imediatamente. Em situações que não haja risco de vida, a pessoa será acolhida, orientada sobre sua situação e informada sobre o tempo de espera, enquanto aguarda o atendimento. São priorizados os casos que exigem mais cuidados, como idosos, crianças e gestantes.

“O objetivo dessa reorganização é agilizar o atendimento, diminuir a ansiedade das pessoas, aumentar sua satisfação, além de criar um ambiente de trabalho mais equilibrado também para os profissionais de Saúde”, diz a coordenadora de Enfermagem do Pronto-Socorro, Roselene Ramalho.

A coordenadora ainda explica que as unidades de emergência têm normalmente uma imagem negativa dada as condições em que as pessoas buscam os pronto-socorros. “Ouvir o paciente e preparar o ambiente para recebê-lo é muito importante para mudar essa imagem”, completa a enfermeira.

Dentro das novas diretrizes, os profissionais da recepção da unidade também estão sendo capacitados para informar os usuários e encaminhá-los ao acolhimento.

“Com o novo fluxo estamos conseguindo também agilizar a marcação de consultas e exames, uma vez que seja identificada a necessidade”, destaca Roselene.

Informar para atender melhor – Outro aspecto importante dessa reorganização é diminuir o numero de atendimentos não-emergenciais no Pronto-Socorro. Quando o paciente não necessita de socorro imediato, ele não deixará de ser atendido, porém será orientado a procurar os postos de saúde, policlínica ou outras unidades para continuar ao tratamento. A orientação correta desafoga o serviço de emergência.

“Pode-se dizer que mais da metade dos atendimentos realizados no Pronto-Socorro não são urgentes nem de emergência e devem ser realizados nas unidades básicas”, afirma Roselene Ramalho.

Para que a população esteja informada, o novo acolhimento inclui palestras educativas e o trabalho dos assistentes sociais, responsáveis por direcionar a população aos outros serviços públicos.

FONTE: SECOM – PMRO.

Ronet

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.