Número de internações em hospitais cai pela metade

Número de internações em hospitais cai pela metade com criação do Caps de Rio das Ostras

Trabalho do Centro de Atenção Psicossocial ajuda na reintegração de pacientes com transtornos mentais

O trabalho do Centro de Atenção Psicossocial – Caps de Rio das Ostras reduziu, com menos de um ano de existência, em 50% as internações de pacientes de Rio das Ostras nos hospitais psiquiátricos do Estado.
Depois da inauguração do Caps, em maio do ano passado, as internações mensais passaram de três para um caso ao mês, sendo que em novembro e dezembro de 2007 nenhum paciente precisou ser encaminhado aos hospitais psiquiátricos. A redução é resultado do atendimento integral, que visa reintegrar essas pessoas à comunidade.

"Esse é um fato inédito no município e mostra a importância do Caps na saúde mental em Rio das Ostras", afirma a coordenadora do Programa de Saúde Mental, Geysa Müller.

Geysa explica que o trabalho do centro possibilitou que pacientes com mais de dois anos de internação realizassem mais visitas a suas famílias.  Isso porque o Caps atua como um importante elemento de ligação entre o portador de transtornos mentais, a família e a comunidade. As visitas são assistidas pelos profissionais de saúde e os pacientes participam das atividades e podem, à noite, dormir em suas casas.

O centro se encarrega do transporte dos pacientes em tratamento e ainda viabiliza e acompanha exames, consultas médicas e cirurgias, além de dar apoio para a requisição de benefícios e documentação.

Desde sua inauguração, o Caps atendeu cerca de 180 pessoas, sendo que 90 estão atualmente em tratamento.

O centro oferece assistência especializada, com atendimento de psiquiatra, psicólogos e terapeutas ocupacionais. O paciente participa de oficinas terapêuticas, com estímulo ao cuidado com o corpo e atividades laborais, esportivas e de lazer. O atendimento, de forma integral, também envolve os familiares, que recebem apoio e orientação para compreender e aceitar a condição do paciente. É uma alternativa às internações em hospitais psiquiátricos, cuidando do paciente sem restringir seu convívio social.

FONTE: SECOM – PMRO. 

Ronet

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.