Educação Inclusiva valoriza talentos em Rio das Ostras

Dentro da proposta da Educação Inclusiva, na qual todos aprendem e ensinam uns aos outros, os exemplos falam por si mesmos.
Vivia Ventura, 21 anos, deficiente auditiva, não sabe usar libras, a língua dos sinais, e começou a ser alfabetizada no início do ano letivo. Até agora, Vivia se comunicava apenas com os familiares através de gestos criados por eles. Isso não impediu que a jovem desenvolvesse o dom para os trabalhos artesanais e com desenvoltura, ela faz pintura em tecidos, tapetes com retalhos e flores de seda.O talento descoberto por Aline Leal, rofessora de Vivia, incentivou a realização de uma oficina na sexta-feira passada, dia 5 de maio, no Ciep Mestre Marçal.

Na oficina, voltada para os demais alunos e professores itinerantes da Secretaria de Educação de Rio das Ostras, que trabalham com os que possuem necessidades educacionais especiais, Vivia ensinou a pintar em tecidos. Com gestos, muitas vezes pegando o pincel e mostrando a forma correta de pintar para obter o melhor resultado, Vivia não escondia a alegria com a iniciativa.

Trabalhando com a Educação Inclusiva há 6 anos em Rio das Ostras, Aline Leal sempre se interessou pelos alunos com necessidades educacionais especiais. Fez o curso no Instituto Nacional de Surdos no Rio de Janeiro durante um ano para se especializar na área. Durante as aulas, ela usa o sistema bilíngüe, com linguagem de sinais, linguagem oral e escrita. Aline namora há 2 anos um deficiente auditivo, Marcos Vinicius Pinheiro, 36, que é professor universitário. Junto com Marcos Vinicius, Aline já realizou cursos de capacitação de professores e guardas municipais de Rio das Ostras na linguagem de sinais.

FONTE: SECOM – PMRO.

Ronet

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.