Seminário sobre o câncer do colo do útero

Profissionais da Saúde participam de seminário sobre o câncer do colo do útero em Rio das Ostras

Pioneiro na Região dos Lagos na implantação do Viva Mulher, Programa Nacional de Controle do Câncer do Colo do Útero e de Mama, Rio das Ostras está procurando qualificar cada vez melhor os profissionais de saúde do município.

 

Nesta terça-feira, dia 25 de abril, a coordenadora do programa no Estado do Rio, Risoleide Marques de Figueiredo, esteve na cidade a convite da Secretaria Municipal de Saúde para realizar um seminário de discussão sobre as novas nomenclaturas e condutas definidas pelo Instituto Nacional do Câncer (Inca).

O seminário, que tratou especialmente do câncer do colo do útero, teve o objetivo de melhor qualificar os profissionais para a prevenção e detecção precoce da doença. Realizado no auditório Inayá Moraes, o seminário contou com a participação dos profissionais de Rio das Ostras, incluindo os que atuam no Programa Saúde da Família (PSF), e do município de Iguaba Grande. Rio das Ostras é referência em patologia cervical e micropólo de atendimento neste setor para as cidades de Arraial do Cabo, Búzios, Casimiro de Abreu e São Pedro da Aldeia.

Uma das inovações apresentadas foi a utilização de lâmina única para o exame de papanicolau. “Com as três lâminas utilizadas anteriormente para uma única paciente podemos atender agora três mulheres”, explica a médica.

Segundo a coordenadora do Programa Saúde da Mulher de Rio das Ostras, Andréa Viana, existem profissionais do município capacitados a fazer a cirurgia de alta-freqüência (CAF), para as lesões pré-cancerígenas. “O procedimento, realizado pelos médicos treinados no Centro de Saúde, é o primeiro passo no tratamento. Quando necessário, as pacientes são encaminhadas para o Inca”, afirma Andréa.

Durante a palestra, a coordenadora estadual lembrou que os fatores de risco para o câncer do colo do útero são status sócio-econômico vulnerável, múltiplos parceiros, HPV (Vírus Papiloma Humano), início de vida sexual precoce, multiparidade (partos múltiplos), baixa ingestão de vitamina C e beta-caroteno, dieta pobre em fibras e o fumo. Ela também apresentou dados estatísticos sobre o câncer do colo do útero que, em 2005, foi a quinto maior causa de óbitos entre as mulheres portadoras de tumores malignos no Estado do Rio de Janeiro.

FONTE: SECOM – PMRO.

Ronet

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.