Semana de Educação Alimentar orienta os alunos sobre refeições saudáveis

Diversas atividades estão sendo realizadas durante a Semana de Educação Alimentar em Rio das Ostras, envolvendo todas as 43 unidades de ensino, das creches ao Ensino Médio, e as quatro Casas da Criança.

Ao longo da semana, que começou nesta segunda-feira, dia 13, foram desenvolvidas várias ações para orientar os alunos sobre a importância da alimentação saudável. Segundo a avaliação nutricional realizada pela equipe da Secretaria de Educação, cerca de 18% dos estudantes têm sobrepeso e 12% são obesos.
Com o objetivo de orientar os alunos, garantindo que tenham uma alimentação saudável não apenas nas escolas e creches, mas em suas residências, cada unidade desenvolveu uma programação diversificada com vídeos educativos, jogos, oficinas, e várias outras atividades. Na Creche Municipal Tia Didi, no Praia Âncora, que atende crianças de 6 meses a 3 anos incompletos, uma das ações foi a visita a um hortifruti.
“Nessa faixa etária, eles aprendem usando os sentidos como tato, visão, olfato e paladar. Por isso decidimos trazê-los até um local onde são vendidos frutas, legumes e verduras. Apresentamos também esses alimentos em sala de aula, para que pudessem conhecer”, conta a diretora Gilma Farias.
Na Escola Alzir David Pereira, no Serramar, as crianças participaram também de várias atividades, como contação de histórias, jogos, entre tantas outras. Uma das ações foi reunir alimentos saudáveis e prejudiciais à saúde, levando os estudantes a escolher os que têm maior valor nutricional.
A aluna Ana Clara Santos, de 5 anos, quando perguntada sobre qual o alimento de sua preferência, apontou para o saquinho de batata frita. Mas a menina sabe na ponta da língua quais são os mais saudáveis. “Devemos comer frutas, verduras e legumes. Gosto de maçã, tangerina, alface, chuchu, cenoura”, enumerou com facilidade.
Segundo a nutricionista Ana Paula Nogueirinha, o trabalho de educação alimentar deve continuar em casa. “Nas creches e escolas, as crianças recebem uma refeição balanceada e saudável. Mas a pressão publicitária, incentivando o consumo de alimentos com excesso de açúcar e gordura, é muito forte”, explica.
A também nutricionista Flavia Gomes lamenta que muitas crianças, com o incentivo dos familiares, prefiram biscoitos recheados e refrigerantes à merenda oferecida nas unidades de ensino. A conscientização realizada ao longo da Semana, instituída pela lei estadual 4856, de 2006, considerou não apenas o aspecto nutricional. A dimensão cultural, lembrando o significado dos alimentos, e a ecológica, abordando a produção dos alimentos, também foram abordadas.

FONTE:
Departamento de Jornalismo
Secretaria de Comunicação Social

Ronet

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.