Festival de Jazz e Blues insere milhões na economia de Rio das Ostras

Restaurantes chegam a vender seis vezes mais do que em dias normais

Hotéis lotados, público recorde, intensa movimentação econômica. Esse é o resultado da 11ª edição do Rio das Ostras Jazz & Blues Festival. O evento, que chegou a registrar mais de 30 mil pessoas por dia, confirma a cada ano o seu potencial de atração de turistas. Enquanto o feriado de Corpus Christi registrou 68% de ocupação hoteleira no Estado (incluindo a Capital), segundo a Associação Brasileira de Hotéis, Rio das Ostras chegou a 100% de ocupação no período.

“O festival é o carro-chefe dos eventos da cidade; movimenta a economia, ocupa as pousadas, lota os restaurantes… Traz um turista de perfil diferente do que recebemos no resto do ano. São pessoas que gostam de música e vêm para os shows seja qual for o clima, sol ou chuva. Eles sabem que é uma oportunidade única assistir a esses artistas e de graça”, opina Paula Meirelles, presidente do Rio das Ostras Convention &Visitors Bureau.
A Secretaria de Turismo realizou uma pesquisa durante o festival para identificar a movimentação financeira na cidade no período. Os dados serão divulgados ao final do levantamento, mas a expectativa da Prefeitura, diante do grande sucesso do festival, é superar os R$ 8,5 milhões registrados em 2012.
O setor de transportes também se beneficiou diretamente com o evento. O taxista Alexandre Tenuta diz que durante o festival seu faturamento aumentou em pelo menos 60% em relação ao dos outros finais de semana. “O movimento de passageiros é bem maior que o normal. Esse tipo de evento é muito interessante para a cidade. Esse ano o festival estava show de bola!”, completa o taxista. Ele se preparou para receber os turistas, que acabam se interessando por outros aspectos da cidade. “Eu tinha a programação dos shows e pude informar sobre os locais e horários. Mas o pessoal acaba perguntando também sobre as praias e até preços de terrenos e imóveis em Rio das Ostras”.

CIDADE DO JAZZ – Praças de alimentação lotadas, vendas a todo o vapor. Os comerciantes instalados na Cidade do Jazz, durante esta edição, comemoram os lucros. Os bares e restaurantes chegaram a vender seis vezes mais do que em dias normais. Todos elogiam a estrutura, que atraiu mais público e ofereceu melhores condições de atendimento aos consumidores.
Reginaldo das Chagas, dono do Feijão e Cia, um dos 17 restaurantes instalados na Cidade do Jazz, fala que nunca participou de um evento tão bom. “É nosso quinto festival. Este ano a estrutura está espetacular, recebemos todas as condições para atender ao público. Estamos vendendo cinquenta pratos por noite, fora as bebidas. E a procura é muito grande pelos vinhos”, disse o comerciante durante o evento.
Um super aumento no volume de vendas. Essa foi a experiência do restaurante Hanatake durante esta edição. Segundo o gerente Cristóvão Caetano, a estrutura do festival contribuiu para isso. “Em dias normais vendemos uns 25 pratos. No festival estamos vendendo cerca de 150. A estrutura do festival é imensa, sem dúvida foi o melhor de que participamos”, diz o gerente.
Os ambulantes também têm no festival uma oportunidade única de aumentar a renda. Letícia da Silva, vendedora de pipoca, participou pela segunda vez. Ela também elogiou as novidades deste ano, principalmente o piso. “Melhorou em tudo! O ambiente está mais limpo, a estrutura está ótima”, comemorou.

FONTE:
Secretaria de Comunicação Social
Departamento de Jornalismo

Ronet

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.